Páginas

segunda-feira, 26 de junho de 2017

A casa das sete janelas.





















Vejo a casa fortaleza de sete janelas,
ali era a moradia das sete mulheres,
isoladas da sociedade como donzelas,
repressão confinamento de cárceres.

Cada janela uma donzela de tranças,
todas douradas como o Sol nascente,
mas uma não me sai das lembranças,
quando passava sorria furtivamente.

A sétima janela é testemunha muda
dos nossos olhares cheios de ternura,
suplicantes aos deuses só uma ajuda
que nos livrassem do fogo da tortura.

Mas a guerra nos separou friamente.
Hoje estas janelas fechadas ao mundo,
selam minha paixão hermeticamente.
Fecho o portão com olhar moribundo.

Toninho

25/06/2017 

Inspiração em imagem da BC.botando a cabeça para funcionar. Projeto da Chica Aqui. Confira/participe e veja outros participantes.

***************************
Semana de paz
para você.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Uma noite assim.




















Na taça sobre a mesa jorra saudade,
que sorvo na noite sem a esperança.
Beijo a borda da taça na ansiedade,
como Sócrates na cicuta fez aliança.

A garrafa testemunha meu padecer,
ora tomba e despeja outra dose fatal,
que a boca se delicia em puro prazer,
de quem se entrega ao mundo irreal.

Sobre a mesa alumia o velho lampião,
que a mariposa está preste a suicidar,
nem imagina minha dor na decepção,
ver inúteis batidas de asas para voar

Mas a garrafa declina-se sobre a taça,
derrama fumegante a derradeira gota.
Olho para a foto no sorriso sem graça,
a luz se apaga, ouço batidas na porta.


Toninho
20/05/2017

Inspiração em fotografia.
coincidência 30 dias após.


*****************************

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Enamorando a Lua Cheia.



Meus olhos que a tudo assistem encantados,
levam-me para uma viagem pela transição
da noite para o dia com as lembranças sutis,
de um tempo feliz de uma vida interiorana
quando via sumir a Lua numa serra negra,
e o Sol surgir por entre arvores gigantescas.

As mariposas já se recolheram às arvores,
outras já se suicidaram junto às lâmpadas.
De minha janela vejo vir um Sol bocejante,
para substituir a esta Lua cheia seresteira,
já exausta da sua permanecia inspiradora,
dos notívagos poetas das madrugadas frias.

Ultimas luzes sistematicamente se apagam,
sobre as ruas já em movimentos acelerados.
Lanço o meu olhar por entre arranha-céus,
ainda vejo a Lua desaparecer num infinito.
Lá no horizonte azul como uma bola de fogo
o Sol dourado desponta enamorado pela Lua.

Toninho.
15/06/2017

Minha participação na BC_botando a cabeça para funcionar que a Chica promove todos os dia 5. 15 e 25. venha participar na leitura da imagem 

**********************************************
Um bom feriadão para você.


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Voa coração.















Eu teimo em seguir meu coração,
que nada sabe destas artimanhas,
que pela vida entre o sim e o não
do beija-flor às flores nas manhãs.

Vai coração cantarolar a canção,
que fala dos amores já esquecidos,
no poema inspirado na desilusão,
com versos melancólicos esvaídos.

Vai coração pelos jardins floridos,
espalhe sobre folhas secas sua dor,
como anjinho do coração de Cristo
arranca espinhos, implanta a flor.

Ah, coração que não se sintoniza,
com meus lamentos nesta agonia,
saber que, o que esboça a pitonisa,
voa nas entrelinhas desta poesia.

Toninho
20/05/2017

******************************
Tem sempre coisas novas lá Mometos e Inspirações