Páginas

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Aos que tem fome

Aos que tem fome.




Senhor abençoai este alimento que vamos tomar aqui e agora...”

Mas tende piedade daqueles pobres agricultores com pés descalços e pouca comida na marmita, que deixam seus lares quando o Sol se faz presente. Não descuidem deles Senhor, fechando lhes os corpos diante dos vários perigos naqueles campos, naquele úmido brejo. Enviai vossos Querubins para juntos de seus pequenos filhos deixados lá no casebre, largados a sorte e perigo, criando neles a esperança e certeza de uma vida melhor. Mas cuida de nós Senhor, para que possamos ter saúde e trabalho para usufruir destes alimentos na nossa mesa. Que vossos Serafins com todas suas asas nos cubram de toda proteção, para que possamos trabalhar e nos dignarmos de seus alimentos usufruirmos em nossa mesa.

“Para que ele sirva para o sustento do nosso corpo e para o bem de nossa alma...”

Assim nos fazei dignos em Seus ensinamentos, limpando nossos espíritos de todas as maldades e omissões. Alimente nossa vontade de viver na fraternidade, em nossa comunidade e família. E que possamos sempre confraternizar com aqueles que produziram o alimento de nossa mesa farta. Inflama nosso peito com os mais ardentes desejos de vivermos como irmãos, que se ajudam e se cooperam.

“E Vós fazeis com que, assim como nós temos com o que alimentar aqui agora, todos os nossos parentes, amigos e bem feitores, tenham também com que alimentar a fome do corpo e o bem de nossa alma.”

No ápice de Vossa máxima bondade Senhor, olhardes e vigiardes todos os nossos, que neste momento podem estar vivendo em dificuldades, que eles possam encontrar a saída digna. E ainda peço Senhor, que iluminais a cabeça dos péssimos dirigentes e falsos hipócritas políticos, incentivando-os na sede de justiça, honestidade e cumplicidade. Enviai todos Vossos anjos Arcanjos guardiões, com suas varas e floretes, para que eles possam educar aqueles que não se curvam diante das misérias e sofrimentos de seus filhos.

Assim sendo abençoai Senhor.


Amem.



Uma lembrança correlata de uma pequena profunda oração que meu pai rezava antes das refeições lá em Itabira/Minas Gerais, com uns aditivos de interpretação oportunos.

Toninhobira

terça-feira, 22 de junho de 2010

Ao Saramago

Ao Saramago, eu tinha que falar...

Ainda que em forma de acrostico.














Jaz na sepultura coerente homem poeta em seu tempo,a cinzas volta.
Ostracizado nunca se calou perante a ditadura reinante, em que viveu.
Serralheiro na pobre juventude fundiu frieza rígida do aço à dureza de sua vida.
Espalha seus versos, vida registra no parto dorido de “Levantado do Chão”.


Salazar bem o perseguiu, mas como Jacarandá não se quebra, segue vida.
Assim viveu este poeta de frente para a mísera escandalosa da região
Renasceu em cada dia descrevia com sangue a dura condição do lugar que
Ansiava, maquinando dias melhores para aquele sofrido povo de vidas vazias.
Mas num jardim lisbonense as cinzas do escritor, sua obra pulverizada em flores.
Agora no sossego dos braços do Pai, ainda suspira um grito aos seus.
Grita ao povo, que ainda há muito que fazer para salvar a dignidade humana.
Opera-se a vontade divina e descansa enfim na paz Jose Saramago.





Se tens um coração de ferro, bom proveito.
O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia. (José Saramago)



Toninhobira


18/06/2010.

domingo, 20 de junho de 2010

Os Sinos de Solimões em meu sonho

Os Sinos de Solimões em meu sonho.









 
 
 
Os sinos dobram pela cidade, os sons ecoam como um alerta, de algo que vem da beira do rio, que se repete sistematicamente a cada ano. Ouvem-se as badaladas dos sinos de Solimões, anunciando o esperado período da arribada que geralmente ocorre durante seis dias, quando aquelas tartarugas em verdadeira invasão em procissão rumam em direção àquelas areias nas margens do Rio Solimões, para efetuarem suas desovas.



É o período da arribada das Tartarugas da Amazônia (Podocnemis expansa) em pleno médio Solimões. Neste período elas procuram as margens para colocarem seus ovos em tabuleiros de ninhos. Tudo seria normal na vida destes animais. O que preocupa é que segundo estudos elas estão em processo de extinção desde o ano de 2000, por isso implantou-se uma frente voluntária para coleta e proteção destes ovos, para se evitar o roubo dos ovos por vândalos, com fins comerciais.


A cada badalada dos sinos parece vir um grito de dor que se ecoa pelas areias. Porque chora Solimões, pode ser visto nas areias cobertas de ovos. Denunciam que ovos são roubados pela população para que sejam ingredientes de exóticos pratos em restaurantes especializados. Tartarugas tristes se espalhadas pelas areias, indefesas assistem seus ovos serem levados de maneira ruidosa em varias sacolas.


No meu sonho as tartarugas se rebelam e se defendem armadas do poderoso Solimum (veneno usado em flecha por indios ) defendem seus ovos, seus filhotes, que numa descontrolada marcha se dirigem para as águas do Solimões, numa derradeira esperança de serem levadas por estas e sobreviverem para uma nova desova.




Baseado numa denuncia “spam” que circula pela internet sobre roubos de ovos destas tartarugas em pleno Solimões. Mas devemos ficar atentos, pois a natureza urge de cuidados e vigilância constante.


Onde há fumaça...



Toninhobira/19/06/2010