Páginas

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Menino que passa pela rua.

Menino que passa pela rua.





















Todo o dia vejo o menino com seus passos apressados.

Nas costas uma velha mochila, que parece pesada.
Deve ser daqueles que parece carregar um fardo.
Insinua-se pelo seu jeito curvo na aparência meio curvada.
E passa sempre com um ar de viver em paraíso
Nada de tristeza a lhe cingir o rosto, apenas um olhar distante
Destes que parece buscar na imensidão as explicações.
Aos olhares debruçados das janelas ele deixa um leve sorriso
Como zombaria dos que lhe negam as coisas, que ele assiste.
Apenas mais um menino que passa pela minha rua
Com todos seus desejos, vida de mistérios e talvez sonhos
Talvez assim pensa que alivia sua dor crua da vida nua.
Amanha pode numa esquina medonha desta cidade
Encontrar o fim de todas suas angustias e decepções de uma vida onde
Apenas sonhava ser feliz como todas as crianças que via.
Eu penso nestes meninos que descem os morros ganham as ruas das
Cidades grandes, que se violentam e violam todos os direitos de qualquer
Cidadão, na busca pelo pão, que é jogado fora em sacos de lixo, que
Não se reciclam como a sua vida que é descartada como lixo qualquer.
Assim passa o menino como passarinho caído de um ninho.







Foto origem Clipart 



Toninhobira
30/09/2010

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Amigo Assim...

Flor da Vida & Toninhobira

Amigo Assim...


Você é!

Muito especial...
Entre todos os amigos,
É um dos que ama sem igual...

Ah! Você é!
Dos amigos que eu tive,
Um dos mais atencioso
Envia flores, perfuma meu dia...


Sim, você foi!

O meu melhor achado,
Feliz eu sou por ter te encontrado,
És um girassol a enfeitar meu jardim...
E é esse encanto de menino,
Portador de paz e alma pueril,
É que te faz ser assim,
Tão importante pra mim...
Você é!
A real felicidade
Que através da amizade
Leva o bem sem maldade...
Custo a crer!
E nem sei se chego a merecer
Tanto carinho e ternura
Que você traz ao meu viver...
Ah! Anjo poeta!
De coração eu digo
Que pra mim
Você é luz, é abrigo
Eu amo você...


Amiga Poetisa
Ah, Flor!

Assim sendo um amado amigo
Você é!
Uma delicada flor
Que surgiu em meu jardim
Não me lembro de ter plantado...
O certo é que naquele dia,
Um beija-flor apareceu
Bailava aflito, em triste cantar...
Como anjo de trombetas alarmante
Anunciava uma nova flor.


Era assim miúda...
Uma flor encolhida e desbotada...
Sofria, sucumbia
Da vida que lhe fugia...
Em cântico de oração
A Deus clamei.
Com carinho e amor reguei...
Meu pedido o Pai concedeu...
No Céu azul anil, Ele escreveu.
Depois daquela mensagem
Em cada manha,
Sentia sua pureza e dulçura
Cada vez mais viçosa...
Do jardim, a mais linda e prosa.
Admirava sua formosura
E lhe dava minha ternura
Como Pequeno Príncipe e a rosa
De cada pétala cuidei...
Assim renasceu a flor menina
Que hoje alegra meu jardim...
Num encanto cativante
Neste mundo da poesia
Renasceu e refloresceu,
Com alma leve e coração pueril
Perfumando os caminhos meus.
Hoje, a florzinha encolhida e desbotada...
É colorida, tem pétalas aveludadas...
Se transformou... Desabroxou...
Em uma bela e radiante,
Flor da Vida!


Toninhobira

Imagens originadas do Google

domingo, 26 de setembro de 2010

Noite Silenciosa

 










Noite infinda fala de melancolia
No silencio, que toda sua vida pára
Nas ilusões de sonhos e fantasias
Num sussurro um canto de esperança.


Momento que tudo é esquecido
Deixa o mundo lá fora paralisado
Não há sons, apenas do coração ferido
Em desafinado tom apaixonado


Lança-se neste mergulho interior
Vive sua realidade que apavora
Eterna longa busca pelo aprazador
Amor que tanto a alma implora


Logo se abraça na amiga poesia
Divina redentora da amargura
Beija-lhe a face de sublime alforria
Cobre de luzes sua noite escura.


Momento raro de intima felicidade
De amar libertamente sem amarras
Sem pensar na fraqueza humana
Das incertezas, medos do passado.


Vem neste instante de felicidade
Camufla-se nas suas quimeras
Abraça-lhe, embala sua sensibilidade
Com caricias que a inspiração acelera.


E sonha como pássaro em liberdade
Esquece os espinhos da ignorância
Encravados por orgulhos e maldade
De quem lhe nega sua importância


Não há armas. Nas mãos apenas flores
Com palavras loucas em versos aquecidos
De rimas que não amenizam suas dores.
É assim que pode viver seu grande amor




Foto Noite de Luar em Itabira-MG
Ah,saudade!
Toninhobira
17/09/2010