Páginas

sexta-feira, 22 de junho de 2012

É lindo demais.












Quando olho nos olhos e vejo a menina na felicidade.
É lindo de se ver.

Quando o amor é o elemento que nos transforma.
É lindo mudar.
Quando se sente como borboleta a bailar na liberdade.
É lindo de sentir.

Enquanto a emoção sobrevive às intempéries, todas nossas energias estão canalizadas no sentido da renovação, para se viver o grande amor, pois no amor se aplica esta carga otimista, para moradia certa no coração.

Amar é a sensibilidade diante da sentida falta, molhada por gotas quentes, que são lavas de vulcão, que derretem os corações de aço. Pois que o amor tem a temperatura de fundição, que quebra a resistência e faz fraco todo e qualquer valente, que em sua forma se apresenta.

Viver no amor as possibilidades, que fazem crescer a cumplicidade e assim cria a resistência, que vem como escudo da relação contra todas as formas de maldades. Isto é lindo e se sobrepõe às inevitáveis adversidades, que nos rondam com suas nuvens escuras.

Quando se permite dizer, eu te amo em cada suspiro da existência e em nome desta sensação manifesta-se na edificação da felicidade como testemunha fiel da bela relação e do bem querer. Isto é lindo demais.

Toninho.
22/06/2012.

Desejo a todos um Feliz fim de semana com paz e alegria.
Aos amigos cá do norte/nordeste meu especial desejo de Boas Festas de São João.

Cuidado com os fogos de artificios !!!

terça-feira, 19 de junho de 2012

Só por prazer.












 

Poder-se-ia se guiar nas mãos do Aleijadinho,
Com recortes precisos no mais nobre Ébano.
Fazer em linhas tortas com todo o carinho,
Perfeita imagem que faça todo seu prazer,
Ou mesmo com o mármore branco de Rodin.

Na harmonia do entalhe ainda sem cores,
Desliza lentamente as mãos na procura,
De traços que venham macular a criação,
Desespero que vem na agonia do fim do dia.

Magistral sonha as mãos de Michelangelo,
Com toques e retoques precisa formosura.
Reluzente imagem agora assim majestosa,
Com suas curvas delineadas e bem talhadas

Criaria o rubor na face com impressionismo,
De Renoir, para a delicada face ter a maciez,
Idêntica ao tocar na pétala de uma bela rosa,
Como a sensualidade gostosa pele de pêssego.

Nos retoques finais e contínuos da criação,
A estrutura vivificada no pedestal do labor,
Sente alegria no coração a festa da fantasia,
Enamora-se por ela com seus olhos de prazer.

Assim que na busca final desta inspiração,
Possa ainda lhe faltar o toque da perfeição,
Invoca pela nobreza das mãos doVan Gogh,
Redesenhando os campos dos belos Girassóis.

Toninho.
14/06/2012 
Imagem do Google.