Páginas

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Meu pai

Meu pai montava a cavalo, não ia a galope.
Seguia tranquilamente pela estrada afora.
Não tinha bois nem terras a se perder de vista,
Apenas tinha sua força de trabalho a oferecer
Aliada à sua vontade de sobreviver e vencer.

Estrada era longa, seus sonhos eram poucos,
A terra, a enxada e algumas sementes.
Mas sabia os segredos da terra e das chuvas.
Pois cada semente era uma benção divina.

Todo mês de março a novena de São José.
Tempo de plantar, aipim, milho e amendoim,
Para no mês de Junho garantir a produção,
Que faz a fartura nas festas de São João.

No dia 19 de Março, nuvens escuras no céu,
Medo e esperanças na enchente de São José.
Era a chuva derradeira naquela sua região,
Milagres vêm com todas as águas de março.

Quando chega Junho o milagre era presente
Afagava a terra, sentia prazer nas mãos.
Amendoim firme que torrado agradava.
Na farinha e na canjica o sabor apurava.

Maior alegria era poder pousar seus olhos,
Sobre os pés de milho com cabelos vermelhos,
Milho assado uma delicia ou macio natural,
Para o quente mingau a comer pelas beiras.
Como grande sabedoria da gente mineira.









Toninho 20/06/2012.
Relendo a poesia Infância de Carlos Drummond de Andrade  que completaria 110 anos em Outubro e que esta sendo homenageado na FLIP.
*******************************************************************************************
Um lindo e bom fim de semana a todos os amigos e leitores.
Estive um pouco ocupado,mas estarei visitando e lendo os amigos como sempre faço.
Meu terno abraço de paz e luz.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Que fazer?








 
Priscila é formada em Computação na USP. Participou de um concurso super concorrido de uma multinacional. Ela havia estudado intensamente, relegando a segundos planos todo seu lazer, inclusive o namorado não compareceria à sua casa. Quando saiu o resultado, ela foi avisada via celular, pelo noivo eufórico, com a classificação em primeiro lugar. Em casa a festa geral de abraços, beijos e lagrimas. Uma garrafa de Champanhe foi aberta para aquele momento de alegria.

No dia seguinte compareceu ao escritório da empresa para os procedimentos da admissão. Recebida com parabéns e desejos de sucessos. Lá foi informada, que os primeiros colocados em numero de cinco, seriam admitidos para a nova sede nos Emirados Árabes Unidos, onde havia um processo de expansão na península. Sentiu um frio na costela e o chão se abrir, pois lhe veio lembranças da alegria do noivo e família, disfarçou e ouviu atentamente a palestra do diretor, sobre os planos e missão da empresa na península, bem como a compensação profissional e financeira dos selecionados. 

Ao retornar para sua casa encontra toda família reunida e curiosa, inclusive seu noivo estava presente, vindo do seu trabalho. Em breves relatos falou da recepção, com certa inquietação no semblante, ela se retira para seu quarto para um banho antes da refeição especial para aquela noite regada a vinhos. Ao entrar no quarto se joga na cama e chora copiosamente e busca forças, para informar a família e namorado de seu destino na empresa. Vai para o banho, e deixa que a água lave suas angustias e ali fica uma eternidade, sente todas as angustias de uma tomada de decisão.

De volta ao quarto mira-se no espelho e ali ficou como assistir um filme em câmera lenta, reprisa o dia em segundos, a alegria da família e noivo, o eco da informação do local do trabalho, sente vazio, pensa no que fazer como fazer, para decidir na manha seguinte. Inicia os exames ou desiste de tudo em nome da família e do amor? Desesperada questiona ao espelho e sem respostas vê a lagrima voltar a rolar pela face, sente-se só, quando alguém bate na porta lhe apressando para retornar à sala onde todos esperam. Mais uma vez olha no espelho, dá um toque nos cabelos, retoca a maquiagem, respira fundo com um leve sorriso para o espelho e decididamente abre a porta.

Toninho.
26/06/2012.
 Segunda imagem do exercicio: Uma mulher ao espelho. 
O que faz,pensa e sente.