Páginas

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Ausencia



Quisera não sangrasse esta ferida,
Silencio martírio em minh’alma.
Nada na noite vazia que acalma,
O coração que se vê sem guarida.

A esperança cobre-se de fantasia
Viaja no céu as estrelas brilhantes,
Testemunhas dos olhos suplicantes,
Pelo aconchego de sua companhia.

A tua ausência é uma armadilha,
Prisão dos desejos que me isolam,
Como solidão do naufrago na ilha.

Cantarolo tua ausência na sangria,
Lagrimas que nas noites inundam
O meu peito regente nesta eufonia.

Toninho.
06/02/2013.
************************************************
O amor calcula as horas por meses, e os dias por anos;e cada pequena ausência é uma eternidade.  (John Dryden)



segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Sonhos Enlatados.


Olho para o alto do trio elétrico e vejo a cantora, que gritava eufórica para a massa, que assistia, de que a poeira levantaria e em coro a massa repetia que a poeira se elevaria e literalmente a poeira subia e com ela as latinhas que voavam em varias cores, tamanhos e sabores. A avenida ferveu, choque de pessoas como espermatozoides na corrida louca. A alegria é geral, a liberação total de gritos, fumaças, pó, poeira, loucura geral, suados, abraçados beijos melados roucos que só queriam cantar e consumir o que as latinhas continham.

Olho para o chão e vejo as latinhas já aterrissadas, agora disputadas por mãos de seres invisíveis com enormes sacos plásticos onde guardavam gente que na festa só querem catar as latinhas e quem sabe achar alguma coisa perdida, que possa lhes render alguns trocados, pois a vida para eles não se resume em festa, que se acaba numa quarta-feira. Junto deles vejo crianças sujas, de olhares tristes, em pleno processo de aprendizagem, amassando as latinhas com seus pequenos pés guardados por uma sandália de borracha.

Olho para os camarotes e vejo as autoridades, sendo paparicadas pelos que fazem festa e outros que dela ganham fortunas. Gente que não olha para o chão e, portanto não veem as crianças expostas à exploração no trabalho, seja por seus próprios pais ou por outros desalmados aproveitadores. 

A poeira some, as pessoas saem do transe como de um sonho e quando olho para os invisíveis catadores, eles já se afastam arrastando aqueles sacos enormes em carrinhos produzindo um som estranho pelas ruas adjacentes à festa, para eles a festa tem esta generosidade, para lhes dar um alimento de amanhã e assim cansados voltam para seus lares com sonhos enlatados.

Toninho.
11/02/2013.
*********************************************************
Uma boa semana a todos.