Páginas

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Uma palma no caminho II.
















Na beira da praia vi uma palma,
Onde desejei nossos nomes rabiscar,
Mas o espinho dos ciúmes me acalma,
E na palma da mão sinto sangrar.

A palma estática calada na vigia,
Sabedora da intenção e meu medo.
Zombava deste com a sutil ironia,
Somente ela sabia do meu segredo.

Numa palma sangrando escrevi,
Com um espinho da rosa amarela,
Traços firmes como de um bisturi,
Nas cinco pontas de uma estrela.

O sol como elemento a cicatrizar.
Letra por letra para a eternidade.
Momento de aflição no meu olhar,
Vi o nome fixado na perpetuidade.

Quando nesta praia vir a passear,
De soslaio mirarei aquela cicatriz,
Que bem traduz a arte de declarar,
Um grande amor que me faz feliz.

Toninho.
08/12/2013 
************************************************************
Um bom fim de semana com paz e alegria, que flores nasçam em nossos caminhos e as almas sejam perfumadas, para um mundo melhor.
************************************************************
Em tempo uma homenagem ao grande Mandela