Páginas

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Saudades lá do mato



Eu canto com amor a saudade,
na mistura de coisas, de gente,
o cheiro de mato cá na cidade,
inebria-me de forma crescente. 

Trouxe as alegrias dos sonhos,
às vezes um medo incendiado,
em ouvir os contos medonhos,
mania de menino no povoado.

Eram noites à beira do fogão,
família reunida na harmonia.
Mingau fervia num caldeirão,
som de rádio é viva nostalgia.

A lembrança aqui transborda,
como a letra de samba enredo,
a emoção que sempre acorda,
é revelação de algum segredo.

Isto é o saudosismo, ora dirão,
que não se escode pelos versos,
nem entrelinhas no diapasão,
afinam esta saudade do berço.

Toninho
28/07/2017

*************************
Sempre grato com 
sua visita.
Um bom fim de semana